Fim de gravidez = Tolerância zero

pregzilla0

Sou uma pessoa boazinha. Juro. Às vezes, tenho até raiva de tão calma e controlada que eu sou. Nunca tive nem crises de TPM. Claro, de vez em quando me irrito bastante e brigo, principalmente com as pessoas mais próximas (Beijo, Luiz Fernando. Te amo!) Mas essas últimas semanas de gravidez me transformaram em um verdadeiro Godzilla.

Outra camiseta legal para grávidas: Pregzilla (Grávida + Godzilla)

Outra camiseta legal para grávidas: Pregzilla (Grávida + Godzilla)

Tenho vontade de mandar todo mundo “pro hell” em 1, 5 segundos de conversa. Acho que é a ansiedade, que leva à vontade louca de comer doce, que, por sua vez, leva a uma necessidade de controlar, pelo menos minimamente, a alimentação, algo que, por si só, me irrita bastante. Isso misturado com as pessoas perguntando de 5 em 5 minutos se já nasceu, se vai demorar, se é filho de jumento (não, não é seu filho), se vai ficar um ano aqui dentro, se já vai sair direto para a faculdade, dizendo que eu preciso ter cuidado se não vai passar do tempo (do tempo de quem, minha gente?), perguntando se eu sou louca ou por que ainda estou trabalhando ou por que eu não marco logo uma cesárea…. Misturado aos palpites insanos, aos conselhos sem nexo sobre amamentação, misturado ao medo de toda a família chegar ao mesmo tempo para conhecer a Marina, antes mesmo de eu ter tempo de conhecê-la direito… Sei que a intenção é sempre das melhores, mas, gente, na real, não sei se é instinto de bicho – sim, nessa hora percebemos que não somos nada mais do que bichos, animais, mamíferos – mas criei uma tendência surreal ao isolamento. Bem igual a Mel, nossa golden retriever que escolheu ter seus filhotinhos sozinha, dentro do guarda-roupas da minha mãe.

É uma revolução hormonal que só entende quem passa por isso. Ou não. Será que só eu e a Mel somos assim? Grávidas na reta final ou mamães que já passaram por isso: eu sou doida, estou precisando ir para o rehab de relações sociais ou é assim mesmo?

Não mexam com uma mulher grávida. Sério.

Não mexam com uma mulher grávida. Sério.

Esse texto foi selecionado para o Top Five do site Recanto das Mamães Blogueiras

Esse texto foi selecionado para o Top Five do site Recanto das Mamães Blogueiras

Anúncios

8 opiniões sobre “Fim de gravidez = Tolerância zero

  1. Hahahahahaha! Primeiro conselho: Manda a merda! Aproveite sua fase e a desculpa dos hormonios e mande a merda todos os palpiteiros de plantão! Faz um bem danado! Aproveite também a desculpa dos hormônios e mande a merda todos que forem inconvenientes depois que ela nascer tb! Melhora bastante o humor!
    bjos
    #amigacomenta
    http://www.mamaeneura.com

  2. Nossa, voltei no tempo agora… É, eu já passei por isso. E como tive diabetes neonatal e engordei “míseros” 26 quilos, ainda tive que aguentar o povo perguntando se não tinha “passado da hora”… haja Deus!!!
    E mesmo assim, fui lá perguntar “Habemos Marina”?… Perdão, Vanessa. É que tem tanto tempo, acho que esqueci.
    Mas você tem todos os direitos, viu? Nem pense em se sentir culpada, minimamente que seja. Faço que quiser, do jeito que quiser, peça às visitas pra darem um tempo, feche os olhos, fala que quer dormir, porque ninguém merece mesmo a afobação da turma nos últimos momentos…
    E, olha, ouvindo/lendo você, me lembrei de uma sobrinha, que de tanto estresse, marcou logo uma cesárea pra uma bela segunda feira, às 6 da manhã e não avisou ninguém… só pra ter o prazer de curtir seu filhote sem a multidão de amigos e parentes em volta querendo pegar e já dando zilhões de palpites… principalmente os especialistas de plantão querendo ensinar tudo sobre como cuidar de um bebê…rss…
    Respira fundo e segue o melhor conselho nesses casos… o da sua amiga Luisa: Manda à merda!!!!
    Beijo grande!

  3. Minha Querida, isso é absolutamente normal!!! Principalmente às mulheres que conhecem seus corpos e respeitam o tempo do bebê! Também fiquei assim e no dia que meu filhinho nasceu, eu estava tão introspectiva, pensativa, até meio melancólica, que minha mãe (adotiva, não gerou filhos no ventre, só no coração) disse que o parto provavelmente estava muito próximo.Sou tagarela, sarrista e comento tudo que observo… Dito e feito, na madrugada do dia seguinte meu filho quis nascer, meio apressadinho, mas no tempo dele, com 36 semanas(minhas contas) 37, quse 38 pelas Ultras, pesando 1 kilo a menos que a ultra indicava (rsrsrs).Mas olha, depois passa, depois que vc deixar o baby blues passar tbém!! Uma dica? Não se isole,peça ajuda e chore se sentir vontade,de alegria, de tristeza de êxtase o que for….Faz um bem danado pra alma!! Bom Parto e muito, muito leite pra vcs!! Bjussss, té!

  4. Calma Vanessa, a tendencia é piorar depois que a criança nasce! Ah os palpites de parentes que você não vê à um século… respira fundo!

  5. Olha, na minha gravidez eu ouvi de TO-DOS os meus amigos que eu estava de TPM eterna… OU SEJA. foi coisa linda de se ver ne?! Eu lembro que tudo me deixava extremamente irritada e eu simplesmente desistia e chorava. hahahahahahaha
    A sorte? É que passa!

    Beijos e ótimo fim de semana.

  6. Pingback: Não somos CQC, mas estamos no Top Five | Casa, cozinha e fralda trocada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s